13 cláusulas importantes para adicionar aos acordos de contrato de design de interiores



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Após extensas consultas com os clientes, os designers de interiores precisam redigir um formulário de contrato de design de interiores que servirá como um vínculo assinado entre o cliente e o designer de interiores. Um acordo de contrato deve incluir instruções bem detalhadas sobre o que o projeto envolverá, como será implementado e as modalidades envolvidas. Deve ter a assinatura de ambas as partes concordando em aceitar todos os termos e condições mencionados, de acordo com o projeto de decoração de interiores.

Assinar um acordo formal de contrato é muito importante. Tem havido muitos casos em que o cliente está insatisfeito com o serviço prestado e descobre isso porque ele ou ela não assinou um acordo rígido com o designer de interiores. Não há muito que o cliente possa fazer, mesmo que decida entrar com um processo por quebra de contrato.

Da mesma forma, por parte dos designers de interiores. Alguns clientes acabam esperando mais trabalhos realizados do que inicialmente esperavam. Se não estiver no acordo, o descontentamento dos clientes é insustentável. Sem um acordo firme, aceitável e assinado por ambas as partes, o designer não é responsável.

Quem requer os documentos do contrato e por quê?

As duas partes que exigem um contrato de serviço de design de interiores são:

  • O designer de interiores
  • O cliente ou organização empresarial

O designer fornece serviços de design de interiores para um indivíduo ou uma empresa e, para que o projeto corra bem e sem rancor entre as duas partes, um acordo final bem detalhado deve ser alcançado, elaborado e assinado

O cliente individual ou empresa que deseja contratar os serviços de um designer de interiores precisa saber todos os detalhes do que esperar e também deseja ser claro sobre os termos e condições do projeto, como ele será administrado e toda a sua disposição.

O contrato de design de interiores na sua totalidade deve servir como o acordo integral entre as duas partes que, ao assinarem os documentos, concordam em aceitar todos os termos previstos no contrato de design de interiores.

Que cláusulas os contratos de design de interiores devem conter?

Em suma, o que um cliente deve esperar ver em qualquer contrato de contrato bem detalhado é um acordo de trabalho estabelecido com um designer de interiores que foi contratado para transformar um espaço interior com recursos internos novos ou atualizados.

Treze cláusulas principais que um documento de contrato de design de interiores deve conter:

  1. Especificações Detalhadas
  2. Escopo de Trabalho
  3. Desenhos
  4. Consultores e empreiteiros
  5. Taxas de design
  6. Garantias de preço (ou não)
  7. Compras e Aquisições
  8. Reembolsos
  9. Cancelamentos
  10. Custos Reembolsáveis
  11. Termos de pagamento
  12. Seguro
  13. Fotografando Obras Concluídas

1. Especificações detalhadas

O designer de interiores deve desenvolver especificações de todos os trabalhos a serem realizados conforme detalhado na planta e desenhos 3D quando aplicável. As especificações podem incluir especificações de decoração de interiores no que se refere a esquemas de cores, escolhas de tecidos, propostas de iluminação, móveis e móveis e todos os outros trabalhos de design e construção de design de interiores necessários para o projeto.

2. Escopo de trabalho

É aqui que os detalhes do designer devem ser tão exaustivos quanto possível. Quando o designer usa uma taxa fixa, por exemplo, o escopo do trabalho deve ser abrangente e deve especificar o que será feito e entregue ao cliente.

Deve-se notar que o trabalho do designer não inclui serviços de empreiteiros, como empreiteiros de arquitetura, encanamento, iluminação e engenharia, e nem inclui modificações e alterações nos sistemas estruturais, hidráulicos, de aquecimento, elétricos, de ar condicionado ou de ventilação em o projeto de design.

3. Desenhos

Projetos detalhados devem ser anexados ao formulário de acordo entre ambas as partes. No entanto, o cliente deve saber que os desenhos são apenas conceituais e servem como um conceito de design e não devem ser usados ​​para outros fins. Deve haver clareza quanto à finalidade dos projetos e deve ser declarado como eles podem ou não ser usados.

A responsabilidade também recai sobre o cliente para garantir que ele forneça informações precisas ao designer. Também deve haver uma declaração clara afirmando que todos os projetos e outros documentos anexados não devem ser usados ​​pelo Cliente para qualquer propósito diferente do que está estabelecido no contrato de design de interiores.

4. Consultores e empreiteiros

Como um projetista não é um empreiteiro geral quando um contrato exige a colaboração de consultores e empreiteiros, o cliente firmará um contrato separado para seus serviços.

Um designer de interiores não fornecerá garantia, aval ou certificação de sua parte do projeto e nem será o designer responsável pela qualidade de suas obras, materiais usados, desempenho ou duração das obras. No entanto, o projetista deve supervisioná-los quanto à conformidade com seu conceito de projeto.

5. Taxas de design

Um formulário de contrato de design de interiores deve incluir a estrutura de taxas e como as cobranças serão feitas e quando cada etapa de pagamento será implementada. O cliente deve pagar, de acordo com os termos, quando uma fatura é apresentada. Ao assinar o contrato, o cliente deverá pagar ao designer um depósito não reembolsável que estabelece uma taxa mínima para todos os serviços de design. Este depósito será creditado contra todas as taxas a pagar ao designer após a conclusão do projeto.

O designer deve ser muito claro sobre como planeja cobrar, e isso deve ser claramente declarado nos papéis do contrato. Não deve haver suposições, ou então estará aberto a disputas em algum ponto da linha.

6. Garantias de preço (ou não)

Um designer de interiores não pode garantir preços de mercadorias, instalação de interiores ou outros serviços não realizados por ele, porque os preços do fornecedor às vezes estão sujeitos a alterações e se um cliente estiver indeciso ou inseguro e demorar mais do que o necessário para fazer uma empresa decisão, a mudança de preço de um fornecedor ficará fora do controle do designer. Deve haver uma cláusula adicional sobre isso, para que o cliente esteja totalmente ciente, caso a situação surja.

7. Aquisições e Aquisições

Um designer não fará pedidos nem adquirirá mercadorias em nome de um cliente até o recebimento de um depósito. Na maioria dos casos, os fornecedores exigem o pagamento integral quando um pedido é feito, portanto, espera-se que o cliente pague integralmente por tais mercadorias. Isso deve ser declarado no formulário de acordo. O designer também pode dar especificações ao cliente, no caso em que o cliente prefere comprar diretamente dos fornecedores.

8. Reembolsos

Depois que os móveis ou itens de decoração forem comprados de fornecedores, a maioria dos itens comprados não pode ser devolvida. Itens personalizados e especialmente produzidos não podem ser devolvidos.

Além disso, como os designers de interiores foram pagos, eles não são reembolsáveis, mesmo que os itens comprados sejam devolvidos. Nos casos em que o cliente está insatisfeito com as escolhas e tenta criar confusão, qualquer designer entenderá por que essa cláusula do contrato é essencial.

9. Cancelamentos

Tal como acontece com as devoluções, os cancelamentos de encomendas efectuados após a assinatura do contrato não podem ser efectuados. E quando um cliente deseja cancelar um pedido já combinado, ele ou ela será responsável pelos pedidos de pagamento para cobrir os custos de cancelamento que podem ser cobrados por hora, dependendo do designer de interiores.

Em alguns casos, as solicitações de cancelamento serão avaliadas por item, sem garantias de cancelamento. Esta é uma das razões pelas quais os ‘cortes para aprovação’ (CFA) são importantes. Os designers de interiores devem certificar-se de que os clientes aprovam, assinando as propostas escolhidas antes de qualquer compra.

10. Despesas Reembolsáveis

Os formulários de acordo de contrato devem ter uma cláusula que indique que o cliente concorda em reembolsar o designer por quaisquer despesas correntes incorridas por ele em relação ao projeto de design de interiores. Isso pode incluir coisas como incluir, mas não serviços de elaboração ou prestação, frete e / ou despesas de postagem e custos de entrega e / ou armazenamento.

Também deve haver um reembolso para viagens, alimentação e hospedagem se e quando necessário, desde que esteja em conexão com o contrato.

11. Pagamentos e condições de pagamento

Se um designer não apresentar a um cliente os termos de pagamento esperados antes de um acordo de contrato ser assinado, o cliente não saberá quando é certo (ou errado) pagar pelos serviços prestados e acredita que pode pagar sempre que .

Portanto, os designers devem declarar isso claramente no contrato de design de interiores. Também é importante deixar claro no contrato que faturas com vencimento superior a 14 (ou 30, dependendo do designer) dias incorrerão em encargos de atraso. Os designers de interiores também podem adicionar uma cláusula afirmando que todo o trabalho será interrompido e a entrega de itens retida até que todas as faturas devidas sejam compensadas.

12. Seguro

Deve haver cobertura de seguro para todos os móveis de design de interiores, móveis e todos os outros materiais durante o manuseio, movimentação e instalações. Deve ficar claro nos documentos do contrato que o pagamento é de responsabilidade do cliente. A capa também deve incluir para o designer de interiores.

Um cliente não deve trabalhar sem seguro e um profissional de design de interiores não permitirá que as obras comecem sem a cobertura de seguro adequada por parte do cliente. Isso é importante, especialmente ao trabalhar em projetos de médio a grande porte.

13. Fotografando Obras Concluídas

Para o portfólio de obras do designer de interiores, o cliente deve concordar em permitir que o designer fotografe o projeto em todas as suas fases de obras e após a conclusão do projeto, o que significa simplesmente que deve haver um acordo entre as duas partes para 'antes e depois ' As fotos.

Se as fotos forem usadas para fins comerciais ou de publicidade, como postagem online, nas redes sociais ou para marketing e publicidade, o designer de interiores deve concordar em não divulgar o nome ou endereço do cliente sem consentimento prévio. Adicionar esta cláusula é importante porque ajudará o cliente a saber o que esperar.

Razões pelas quais eu uso modelos editáveis ​​prontos para o meu negócio

Quando comecei meu negócio de design de interiores, rascunhei todos os documentos de que precisava do zero. De propostas e orçamentos a acordos contratuais, cronogramas de projetos e quadros de humor, sempre que surgia a perspectiva de um projeto, eu tinha que preparar os documentos necessários. Não foi a melhor das maneiras, mas na época, foi o suficiente. No entanto, conforme o negócio cresceu e exigiu mais do meu tempo, redigir documentos comerciais tornou-se uma tarefa árdua.

E então eu descobri sobre modelos específicos de design de interiores.

Hoje, eu não sei o que vou fazer sem um modelo de contrato criado profissionalmente (construído por especialistas na área). Não só se tornou uma tábua de salvação para a parte estritamente comercial de minha carreira, mas também garante que, em caso de qualquer problema desagradável entre meus clientes e eu, não serei responsabilizado ou responsabilizado.

Coisas adicionais a considerar

As cláusulas do contrato de design de interiores não devem ser limitadas às treze listadas acima. Existem alguns termos e condições adicionais que um profissional de design de interiores pode desejar incluir no contrato.

  • Limitações de revisão
  • Taxas para atrasos no trabalho de design de interiores
  • Danos
  • Vencimento do acordo
  • Acesso ao projeto
  • Segurança no local
  • Propriedade de projetos
  • Indenização
  • Visita ao local e limitações

Agora que você descobriu algumas das cláusulas mais importantes a serem adicionadas aos contratos de design de interiores, pode querer saber o próximo passo a ser dado para criar um que seja benéfico para você e seu cliente. Embora alguns designers de interiores possam contratar os serviços de profissionais para fazer acordos, é bom saber que isso pode ser um pouco caro.

A maioria dos designers de hoje opta por modelos prontos para uso para download. Eles não são bons apenas para usar como estão, mas também são fáceis de editar e prontos para impressão. Os modelos de contrato de design de interiores são editáveis ​​em todas as versões do Microsoft Word, Google Docs e PDF e podem ser compartilhados digitalmente, onde quer que ambas as partes estejam.

Sempre e onde quer que o designer de interiores exija termos, legalidades e qualificações adicionais, é melhor conversar com um profissional jurídico para determinar se eles são adequados para você e sua empresa ou não.

Finalmente, uma última cláusula que deve ser adicionada: "Quem é o proprietário do design?"

O designer de interiores retém a propriedade do conceito de design de interiores, direitos autorais, esboços, plantas e desenhos 3D, amostras, amostras, propriedade intelectual, patentes e quaisquer outros materiais preparados para o projeto. O contrato de design de interiores deve mostrar esses direitos de propriedade.

O cliente não tem o direito de compartilhar ou usar o design para qualquer outro projeto, exceto o referido, sem a permissão explícita por escrito do designer de interiores.

Leitura adicional:

Perguntas e Respostas

Questão: Que cobertura de seguro o cliente deve obter para projetos de decoração de interiores?

Responda: É o designer de interiores que deve ter um seguro de responsabilidade profissional. Dependendo de quão abrangente seja, o designer é o responsável se algo der errado.

O cliente não precisa de seguro para seu projeto de decoração de interiores.

© 2019 viryabo

Santhosh em 10 de julho de 2020:

Estou muito grato por compartilhar sua valiosa experiência, conhecimento, idéias, de sua longa carreira no campo do design

Shilpa Bohara em 30 de junho de 2020:

Artigo excelente e muito útil ...

DJ em 20 de setembro de 2019:

Eu concordo, ótimo artigo. Ele tocou em tudo que eu estudei recentemente em minha aula de portfólio como um estudante de design de interiores e um pouco mais. Há algum modelo específico que você recomendaria?

viryabo (autor) em 13 de maio de 2019:

Que bom que você achou isso valioso, Kelly.

Kelly em 13 de maio de 2019:

Excelente artigo - realmente aprecio o tempo que provavelmente demorou para ser tão completo. Esta é uma informação extremamente oportuna e valiosa para mim e para minha empresa!


Assista o vídeo: Como desenhar perspectiva interna?


Artigo Anterior

Dicas para pintar fusos de escada

Próximo Artigo

Projeto paisagístico de desconstrução